26/02/2013

Talvez isso seja um desabafo

Postado por Julia Taina 0 comentários
Tem dias que a dor aparece, que o sol se esconde, o ar pesa, e a mente enlouquece. Alguns destes dias podemos não entender o porquê, e é isso que nos mata de verdade. A sensação de impotência, de não ser no mundo, de vulnerabilidade, de ódio, renegação. Quando se perde o amor, a alegria, quando esquecemos de como fazer um determinado músculo facial funcionar, de como nos contentávamos com pequenos atos, simples risadas entre amigos, estes que não estão mais presentes. Talvez eu tenha esquecido como é ter um amigo para conversar sobre tudo, para rir por nada, para abraçar sem motivos aparentes. Não! eu não esqueci, só perdi a prática, pois sabemos que tudo em desuso nos é esquecido, ou apenas nos parece esquecido. Sempre quis ser uma garota forte, de personalidade, com independência, daquelas que são "mais macho que muito homem", mas no fundo nunca fui e nem serei, sou fraca, realmente fraca, como se cada palavra que é dita me atingisse de um jeito tão doloroso, que fica incomodando por toda uma vida. Simples palavras e atitudes. E elas vão acumulando, vão esgotando tudo de bom que restou da infância, trazendo consigo rancor, desesperança, incredulidade. Hoje digo com toda certeza que não me amo como tempos atrás, e quem foram os responsáveis? Todos, de fato, eu mesma tenho tido uma parcela enorme nessa somatória. Mas ainda tenho esperança de que uma dia as coisas voltem aos seus devidos lugares. Na verdade eu ainda não sei se isso é exagero ou não. De repente tudo o que estou dizendo seja a mais simples besteira que já escrevi, mas não me importo. Eu sinto e escrevo, é isso, ponto final, embora seja apenas o começo da história.



23/02/2013

Atestado de morte

Postado por Julia Taina 0 comentários
Era mais um dia daqueles no escritório, papéis jogados um em cima do outro, canetas das mais variadas cores espalhavam-se pela minha mesa, telefones tocavam de cinco em cinco minutos. Estava tão cansado que entraria em convulsão se faltasse mais de dez minutos para ir embora e aliviar minha alma daquela rotina massacrante que me aprisionava todos os santos dias. Não aguentava mais, não mesmo. Jurei que naquele dia eu iria extravasar, extrapolar meus instintos e vontades, acabar de vez com tudo o que sufocava. Era sexta-feira e resolvi ir à uma boate, não que fosse algo que gostasse, mas como naquele dia decidi que faria algo aposto ao que sempre faço, foi isto o que me pareceu algo sensato a fazer. Fechei todas as portas e janelas do local aonde passara minhas últimas seis horas, já me sentia aliviado só por partir, até breve rotina, trabalho, papéis e canetas espalhadas, ou não. Chegando em casa, vi que meu quarto não era tão diferente, também se encontrava em um péssimo estado. Percebo tarde demais estar com ódio pelo fato de minha pizza da semana passada estar mofada e incomestível. Como estava quase totalmente sem roupas decentes, resolvi tomar um banho frio e colocar a primeira que aparecesse pela frente, por sorte não estava tão horrível. Sem mais delongas, me deparo perguntando em qual bar/boate eu deveria ir, resolvi por aquela que me parecia ser um antro de perdição, eu precisava daquilo, buscava aquilo. Chegando lá, me perco no bar, bebo uns drinques e fumo alguns cigarros, o que não estava percebendo eram os olhares que estava recebendo, um tanto quanto anormal, por seu eu. Vindo de mulheres, no plural, engraçado como isso hoje não faz sentido, mas isto é assunto para mais tarde. Olhava as mulheres como pedaços de carne, sabe, estava atônito por uma delas, ou poderiam ser duas, ou três. Que venham todas. Mas infelizmente não vieram. Já estava grogue a meia-noite, e resolvido ir embora, estava pagando a conta ao garçom, que por sinal não tinha saído nada em conta. Quando do nada, de uma forma indescritível, eu a vi, pele morena, cabelos negros, e olhos verdes, era ela, Gabriela. Seu corpo fazia curvas ao caminhar, seus lábios moviam-se de uma forma que eu nunca tinha visto igual, era única como o amor verdadeiro. Era amor, no instante que a vi soube, não pode ser, nunca acreditei nisso. E eu estupidamente não consegui controlar, a despi com os olhos, a desejei com toda a força e virilidade do meu ser, e não foi pouco. Ela se interessou. Eu pirei. Ela sorriu. Eu não. E ela se intrigou de como era possível um homem não demonstrar interesse, isto jamais havia acontecido, me contara ela em outra conversa. Veio até mim e perguntou o porquê de te-la ignorado. Eu ininteligível, consegui apenas dizer um “ãn”. Então sorriu novamente e eu soube que ali tinha assinado meu atestado de morte.



Tatuagens para se inspirar

Postado por Julia Taina 0 comentários
E quem não ama tatuagens? Eu amo, e quero ter muitas, porém ainda não tive coragem (dinheiro) para fazer alguma, mas cá entre nós, tenho em mente umas dezenas para tatuar. E sei que não sou só eu que tenho essa paixão por elas, então trouxe para vocês ideias para se inspirar e perder o medo. 

                                      
                                      











11/02/2013

Cantando o meu bem querer-te.

Postado por Julia Taina 0 comentários



Sua respiração, seu olhar, seus movimentos, suas palavras. Você sendo meu, como se fosse eu. E será. Te buscava em tudo. Em teu ser procurava-me, querendo me encontrar, mal sabendo que nada haveria. Continuava à procurava mesmo assim. Te tocando, amassando teu cabelo, que tornavam-se ondas, da cor de terra, tão inusitado quanto o que estou vivendo. Que bonito fora o tempo que te cantava, literalmente, música preferida, te embalando em sonhos, que sonhei ter contigo. Talvez eu esteja lá, algum dia. Sua voz embriagada de um ronronar indecifrável. Eu estava realmente delirando ao te observar daquele jeito. Em outro momento te supliquei que parasse, talvez por medo, talvez por receio, com certeza por insegurança e demais desconsolos que trato a cada novo dia. Quando tu paravas queria mais, quando tinha mais implorava para não tê-lo em excesso, pois não aguentaria. Não afrouxaria nem por um segundo meus medos, seria insuficiente e tão pouco convincente. Não queria iludir a ti e criar a falsa ideia de saber o que estava fazendo, que saberia manuseá-lo. Queria ser eu e você, sem nenhuma relação anterior e posterior, só. Que acabassem as tolices sem respostas, ou que as respostas fossem beijos inesperados, algo que realmente me surpreendesse e fizesse minha espinha liberar comandos de calafrios que percorresse todo o meu corpo. Tais que só sinto contigo. Esta é a minha única certeza.






Hoje é dia de

Postado por Julia Taina 0 comentários
Estava vendo o tão famoso vídeo da jornalista Marília Gabriela com Silas Malafaia, pastor milionário e fiquei chocada, não totalmente pois o pré-conceito que tinha não mudou em nada após ter ouvido as teorias que na verdade são verdades incontestáveis para o pastor. Posso dizer que na minha humilde opinião, essa história toda de igreja não desperta confiança nenhuma, não apenas confiança, não vejo ética, respeito, verdade, compaixão e lógica. Enganações e aproveitações são ditadas as pessoas que não pensam, não no sentido de ser anencéfalo, mas sim de não ter ciência, de ser ignorante e não analisar o mundo a sua volta. Pois é realmente fácil persuadir uma pessoa que tem mente pequena, que não quer conhecer as verdades do mundo, a realidade, o passado, o futuro, o bem e o mal, que deixa ser controlado por algo que não vê, apenas acha que sente, e o pior, que se deixa ser controlado por algo que alguém diz que deve ser feito, da maneira como acha que deve ser feito, e com quem deve ser feito, não tendo em nenhum momento o "livre arbítrio" tão pregado nas Igrejas. Mas não sou totalmente contra acreditar em Deus, em crer que algo rege o mundo e nossas vidas, até aí tudo bem, mas o problema começa quando não se tem mais opinião própria, quando sem perceber pessoas com mais conhecimento estão controlando tudo, seu modo de pensar, de agir, e de interpretar o conhecimento e os atos de outras pessoas, que por ironia não são tratados com compaixão no momento que se desprendem do que é ditado e seguem as suas próprias opiniões, e fazem aquilo que sentem fazer sentido em suas vidas. Não vejo maldade em ser quem é, e pensar da maneira que quiser. Não tenho preconceitos contra isso, tenho sim, de pessoas medíocres que não tem respeito pelos demais, pois se o perdão, e o amor de Deus é para todos, quem somos nós para punir alguém? Não quero ser hipócrita em dizer que não somos melhores ou piores que outro alguém, porque devido aos atos e fatos que nos fizeram chegar até aqui, podemos sim afirmar se somos melhores ou piores que alguém. Eu creio nisso, creio também que todos devemos adquirir conhecimento e não fechar nossa mente para o novo, para experiências novas, para sermos pessoas melhores, mais humanas, sem fachadas, como aquelas impostas por pessoas que na verdade não cumprem e não pregam o que dizem, sendo assim, completos mercenários. Mas não me entendam mal, cada qual faz o que acha melhor para sua vida, eu só peço que não tratem o seu próximo de maneira rude por ter um pensamento diferente do seu, que tenha um pensamento aberto para entender costumes que não tenha, e que não pense ter a razão da verdade, pois até o que eu estou falando aqui pode não ser verdade, mas é o meu pensamento, que poderá mudar algumas vezes, sim, mas de nada adiantará alguém me forçar a pensar diferente, pois o pensamente é livre, e assim deverá continuar sendo. 




Besteirol

Postado por Julia Taina 0 comentários
Presumo que a grande maioria das pessoas tem problemas de concentração, memorização e de associação do que está lendo enquanto o pratica, não é mesmo? Eu já sofri muito com isso, hoje porém com a prática estou melhorando. Já ouvi muitas vezes sobre "Leitura Dinâmica" mas não me interessei a conhecer os métodos, como hoje estou tendo um tempo livre extra, resolvi ver do que se trata. Quando terminei de assistir (e praticar), tive a seguinte opinião, é um método realmente interessante, pois nos mostra como nossa leitura é primitiva e sem lógica, ou apenas sem lógica aprofundada, pela qual deveríamos estar acostumados. O método de memorização é muito útil, e a partir de hoje vou adotar as minhas leituras, pois eu tenho sim (não vou negar) problemas para lembrar o que estou lendo e/ou o que li a algum tempo. Sinto isso mais agravado neste momento que estou lendo a renomada série do Douglas Adams, O Mochileiro das Galáxias,  que é por si em vários momentos cansativa e confusa. Este é um dos principais motivos pelo qual adotarei a Leitura Dinâmica. Se vocês tem necessidade e/ou curiosidade, eu aconselho a ver este vídeo. 







09/02/2013

Gabriela, cravo e canela e também perdição

Postado por Julia Taina 0 comentários
De poucas era a única, de todas era somente, somente bela, somente sorridente, somente graciosa. Só mente. Mas quem mente? Este que vós escreve. Gabriela não era em tempo algum tão doce e esplêndida. Era sim, maliciosa, com um olhar furtivo, daqueles que exitam à longe. Moça misteriosa, e também tão dada, de lábios carnudos, sinuosos e que exalavam tentação. Era pura e em seu olhar vivia a vontade quieta e mansinha de dar-te, não o coração é claro. Sua pele não se manifestava ao meu toque, mas a minha formigava ao simples toque de seus lábios, lábios cor de sangue e loucura. Vivia quieta, observando o mais lento movimento, talvez estivesse observando a próxima presa. Quem dera ser eu. Tão lento e majestoso meu coração, não poderia imaginar que um dia a minha perfeita adorada ia por mim se apaixonar, delirar sua voz nos meus ouvidos, estes que estavam a explodir. Que seria em mim que deslizaria suas mãos, não em curvas, pois não as tenho, mas não importa, ela estava lá, e era isso o que importava de verdade. Como posso me esquecer da primeira vez que seus lábios tocaram e limparam a saliência de outras mulheres que padeceram por mim. Era o mel das estrelas, como posso dizer, isto soou ridículo, mas sim, eu sou ridículo, por ela. Não passei de um rapaz em busca do seu primeiro amor, do seu primeiro orgasmo. Que seja! Eu a amava, e isto bastava para o resto de minha vida. Eu e ela, ela e eu, eu por cima, ela por baixo e vice e versa. Mas nem tudo foi belo, pois como eu adverti no começo deste triste texto, Gabriela não era santa, não era puta, mas quase. Ela tinha sentimentos, sim, ela me amava, mas no fundo não poderia mudar o que na verdade já fazia parte do seu interior, suas características, seus gostos, suas tentações e vontades, eram ela. Infelizmente. Me perdi, depois daquele ultimo encontro, minha vida de certa forma acabou e não estou exagerando, ou poetizando melancolias. Ela me fez feliz de um modo que nunca ousei ser e na outra hora tudo virou perdição. Hoje não sei quem sou, vivo por ela, pois me tornei “ela”. Todos os seus mínimos e máximos detalhes, eu os conhecia e também os vivia, os vivo, para a eternidade. 

07/02/2013

Lady of Rock

Postado por Julia Taina 0 comentários














Top Five

Postado por Julia Taina 2 comentários
Cinco perfis do Fashiolista que eu amo

Natalia Arieli

Bianca Porfírio

Gizele Oliveira

Manoely Welker Koch


Lídia Teixeira



Ensandecer a meia-noite

Postado por Julia Taina 0 comentários
Quero poder fazer o que desejo, sair por uma rua qualquer, com uma pessoa qualquer, sem ter hora para chegar e muito menos estado de espírito. Quero poder ficar chateada, louca, desvairada, cheia de marra, cheia de graça, poses, e confusões. Quero por favor, poder sentir o que estou sentindo e demonstrar para quem quiser. Quero faltar naquelas aulas chatas e entediantes de toda manhã, quero poder dormir o tempo que preciso. Quero ser jovem, imaturo e irresponsável. Quero que vocês adultos centrados me deixem em paz, deixem eu viver a vida, errando que seja, aprendendo observando e quem sabe realizando meus sonhos e aspirações. Quero errar, mil e uma vezes se puder. Quero enlouquecer. Quero amar. Quero ouvir músicas antigas. Quero dançar a meia-noite como se fosse o último dia feliz de minha vida. Quero tiras notas ruins e logo após notas boas, só para convencer aqueles que pensaram que seria algo difícil para meu intelecto. Quero chorar de rir ao meio da interpretação do Hino Nacional. Quero rir de todos vocês, jovens caretas e melancólicos. Quero viver. Quero ser livre. Quero experimentar tudo que der vontade. Quero aproveitar antes que seja tarde de mais. Quero também garantir meu futuro, para estragá-lo fazendo tudo isso de novo. Porque ser poeta também é ser ensandecido.


05/02/2013

I need

Postado por Julia Taina 0 comentários
O "I need" de hoje é um digamos "sonho de criança" que não foi realizado (obrigada pais). Mas cá entre nós qual garota nunca quis um patins/roller? Penso que várias, ou não? Olha, posso dizer que a minha vontade de ter um ainda não passou, ao contrário, só aumentou. E tem vários modelos (e preços) para cada pessoa. 

Do mais profissional, que está na média de 170,00 reais (link), até os mais fofos e clássicos, que são meus favoritos! Infelizmente não encontrei média de preço destes.









O vazio sufoca até mesmo aqueles que ainda não entendem

Postado por Julia Taina 0 comentários
Amores, embargados por poesias, músicas que tiveram o fim trágico do abandono após o fim, vislumbros através de fotos, escondidas em armários, por entre livros, cheiros enjoativos e absurdamente desejáveis, pessoas, simples conhecidos, caminhando do mesmo lado da rua que o seu, você irá detestá-los por trazerem lembranças que assombrarão noites vazias, de paz, mas após algum tempo olhará para essas pessoas e sentirá saudades, talvez até da dor, angustia e pontadas de suicídios diários, irá perceber que o mundo, mesmo que doa, é melhor do que não a sentir dentro de si mesmo. É melhor por que o coração bate acelerado, outra vez, e isso te faz enlouquecer, mas está lá, você sente, ainda está lá. A mágoa é melhor do que o sentimento de nada, disto eu sempre soube. E essas pessoas que escrevem, que poetizam tudo isto, será que já se perderam tentando encontrar alguém? Será que já viveram tudo o que cabe em seus textos? Será que são pessoas como as que buscam palavras de terceiros, para suportar, para tentar entender ou apenas se identificar e ver que não estão sozinhas?. Será que estão sozinhas? Tantos poemas, espero que não sejam apenas exageros poéticos de doentios por histórias, que não sejam estórias. Os meus não são, fiquem tranquilos. A verdade é que nunca consegui resumir, exemplificar ou apenas narrar o que acontece quando meu coração faz moradia em outro peito. O amor não existe para ser explicado e sim degustado. Como se delicia um banquete de morangos protuberantes com açucares. Embora pequenas pessoas tem a velha mania de tentar, mesmo sem sucesso. Escrevo e descrevo, enfim. Nunca vou conseguir me dominar, espero que caso aconteça, alguém implore para mudar de ideia. Eu enfraqueceria, e nos meus olhos brotariam pingos d’água, sem parar. Pois o amor me consome, e também a meu cotidiano. Este é o meu adeus em pequenos capítulos.




Trilha Sonora

Postado por Julia Taina 0 comentários
♥ Músicas Indie ♥










01/02/2013

Estou amando

Postado por Julia Taina 0 comentários
Quem como eu é apaixonada por meia-calças? Acredito que muitas ♥

Encontrei uma loja virtual que vende muitas peças legais, juro, nunca tinha visto meias assim, com estampas que imitam tatuagens, omg! Dentre outras, e a loja ainda tem várias opções de blusas, saias, leggings, e muito mais!










 

A lover of books Copyright © 2012 Design by Amanda Inácio Vinte e poucos